quarta-feira, 25 de maio de 2016

Para preparar uma boa aula e extrair o melhor de seus alunos, o professor da igreja infantil precisa de preparar adequadamente, com cursos, informações e treinamento. Por isso, estamos estudando um pouco sobre o comportamento infantil. Sem o devido preparo, a igreja pode estar desperdiçando uma grande oportunidade de ganhar almas e formar cristãos preparados para viver uma vida cristã plena. Infelizmente, muitas igrejas não preparam seus professores e acabam criando “classinhas” sem estímulos para as crianças, o que tornam o tempo na igreja desagradável para os pequeninos. As crianças vão crescendo com uma visão de que a igreja é chata e desestimulante. Tudo isso porque a igreja preferiu não investir em professores, não adequando seu espaço para atender o comportamento infantil em cada faixa etária.
A preparação de professores deve ser levada a séria como é feita a formação de evangelizadores, missionários ou pregadores, mas muitas vezes é considerada um apêndice da igreja, no sentido literal, o apêndice no corpo humano não serve para nada a não ser causar problemas. Infelizmente, alguns líderes de igrejas acham que o departamento infantil não serve para nada e ainda causa problemas.
Conhecer o comportamento infantil é fundamental para que o professor possa criar uma aula estimulante e proveitosa. As crianças de seis a oito anos de idade são mais perceptivas e observadoras que as mais novas, no entanto continuam ativos, o que nos leva a crer que prepara atividades de movimento pode ser melhor para aproveitarem melhor a aula. A maioria das igrejas classifica esta faixa etária como primários.

Características físicas
Assim como as crianças de quatro ou cinco anos, esta faixa etária ainda abrange crianças ativas, que gostam de atividades como correr, pular ou andar por algum tempo. No entanto, elas logo se cansam, portanto, uma dica é o professor realizar estes tipos de atividades antes de um momento que precise de silêncio ou concentração.
Como elas se cansam fisicamente, também, da mesma forma, ficam entediados com certa rapidez. Realizar atividades longas ou preparar sempre as mesmas coisas não é uma boa ideia. A ordem é não ter rotina para atividades para crianças de seis a oito anos.
Um ponto importante é que muitas deles ficam constantemente doentes. É importante o professor saber lidar com crianças gripadas, com tosse, ou alergia. A igreja precisa estar preparada para atender às necessidades médicas de uma ou outra criança nesta situação, evitando classes sem acabamento, piso de cimento ou locais sem ventilação, por exemplo.
O comportamento infantil nesta faixa etária exige professores animados e dispostos, pois lidar com crianças de seis a oito anos pode ser cansativo para algumas pessoas.

Características mentais
Como a maioria nesta idade está aprendendo a ler, a leitura oferece um mundo novo para crianças de seis a oito anos de idade. O professor do primário deve demonstrar gosto pela leitura e estimular seus alunos a lerem. Eles vão adorar.
A mente ainda é bem literal e precisam de exemplos concretos para entenderem alguma coisa. Ao dar aulas de assuntos antigos, o professor deve se preparar para perguntas. É indispensável o uso de material gráfico no primário. Mapas, cartazes, slides…
Uma oportunidade a ser explorada é que eles já aprendem novas palavras com facilidade. Diferente do pré-primário, nesta faixa etária não há tanta necessidade de repetição.

Características sociais
Talvez a classe dos primários da igreja infantil seja onde o professor possa explorar melhor a imaginação das crianças. Além disso, o conceito de turma, amigos e equipes já é compreendido por elas, o que permite atividades em grupos com resultados melhores do que na classe dos pré-primários. O comportamento infantil desta faixa etária é ideal para a formação de vínculos de amizade.
As crianças de seis a oito anos de idade gostam de crianças da mesma idade e têm facilidade em criar amizades com um amigo especial. Costuma ser nesta faixa etária que aparecem pela primeira vez o “melhor amigo”.
Nesta idade, elas já não têm medo de bichos de estimação. Um cachorro, um gato ou passarinho prendem a atenção das crianças de seis a oito anos por muito tempo e desperta muita curiosidade.
Uma boa notícia para o professor da igreja infantil que vá dar aulas no primário, é que as crianças do primário buscam aprovação do professor. Elogios e incentivos funcionam bem nesta classe.
Uma dica para o professor é realizar tarefas não competitivas. As crianças de seis a oito anos preferem se ajudar do que competir entre si, é uma característica forte de seu comportamento infantil.

Características espirituais
O conceito de certo e errado já está melhor trabalhado e o professor pode, facilmente, explicar o que é certo e o que é errado. As crianças de seis a oito anos confiam nos adultos.
Como elas gostam de atividades físicas, elas começam a demonstrar mais gosto por histórias de ação e aventura. Este estímulo condiz com o comportamento infantil delas.
Entre seis e oito anos, as crianças já entendem bem o que significa que Jesus é o salvador, filho de Deus. Alguns conceitos espirituais básicos já podem ser apresentados. Uma ótima ideia é deixa-las orar. Elas já podem muito bem orar sozinhas.
As lições podem apresentar exemplos espirituais mais sérios, mais maduros. O conceito de viver para Deus já pode ser desenvolvido nesta idade.

Dicas para o professor
O comportamento infantil das crianças de seis a oito anos de idade é bem ativo, o professor pode desenvolver atividades de movimento. Mesmo que o professor não queira que as crianças corram ou pulem, somente o fato de andarem, sair do lugar, já é proveitoso e traz uma dinâmica para a classe.
A programação deve conter atividades variadas a cada 10 ou 15 minutos. Uma história que dure mais que este tempo já vai parecer chata e as crianças vão ficar entediadas. Exemplos de outras crianças é um estímulo para que copiem. Outro exemplo que compreendem fácil é a família. Falar de pai, irmãos e mãe é uma forma de fazer com que compreendam melhor a lição.
Nesta faixa etária elas já podem começar a procurar na bíblia por versículos e livros específicos.

Publicado em Material Gospel


O professor da Escola Bíblia Dominical – EBD – deve estar preparado para lidar com crianças de todas as idades. Um erro comum nas escolas dominicais é o professor dar aula para crianças de 4 e 5 anos da mesma forma que faz para crianças de 7 e 8. Não apenas a história, mas toda a aula tem de ser preparada conforme a faixa etária das crianças. A liderança da EBD deve formar professores capazes de entender como cada criança se comporta de acordo com sua idade, isso irá proporcionar uma aula melhor e ainda vai ajudar o professor a não se frustrar, pois preparar uma aula que não seja de acordo com a idade dos alunos pode gerar uma aula desinteressante ou complexa demais.
Um professor que não sabe o tempo de concentração das crianças pode achar que ele, professor, está errado, quando na verdade é natural que as crianças da faixa etária de sua sala não se concentre mais de dez minutos, por exemplo.
É fundamental que os professores conheçam as características das crianças que está trabalhando para elaborar sua aula da EBD. Escolher os cânticos, preparar a lição, as palavras, tudo deve estar de acordo com esta faixa etária. Neste tópico, vamos apresentar as características das crianças do pré-primário, ou seja, de 4 e 5 anos de idade.

Características físicas
As crianças de 4 e 5 anos são bem ativas, gostam de atividades e até parecem que não vão parar nunca, mas na verdade, esta explosão física tende a ser por pouco tempo. Elas se cansam facilmente. Sabendo disso, o professor da igreja infantil deve estar preparado para enfrentar situações nas quais as crianças queiram falar, correr ou brincar, sem dar a menor atenção ao que está em sua volta. A boa notícia é que elas se cansam facilmente. Tendo um pouco de sabedoria e paciência, o professor pode usar isso a seu favor, dando às crianças um tempo para se cansarem.

Características mentais
As crianças de 4 e 5 anos tem uma tempo de atenção aproximado de 10 minutos, por isso, a preparação da aula da EBD deve ser segmentada. Podemos dizer que as perguntas mais frequentes das crianças de 4 e 5 anos são “como?” e “por quê?”. Praticamente tudo o que elas ouvem e veem é novidade para elas, por isso, o professor nunca deve achar que a criança já conheça alguma coisa. Ao montar a lição, o professor deve se preparar para explicar alguns detalhes, como o que é Israel, como as pessoas faziam antigamente para beber água, lavar roupa ou preparar a comida.
Nesta faixa etária, as crianças tem uma imaginação fértil e tomam quase tudo de forma literal. O professor da EBD deve tomar cuidado com algumas expressões. A memorização dos versículos deve incluir apenas versículos curtos.

Características sociais
Ao lidar com crianças de 4 e 5 anos o professor deve estar preparado para lidar com algum tipo de egoísmo, pois as crianças de 4 e 5 anos são egocêntricas. Não tão extremas como as mais novas, mas ainda apresentam alguma dificuldade em dividir. Nesta idade eles ainda estão aprendendo a dividir, compartilhar, por isso, o professor não deve se irritar quando alguma criança demonstrar mais dificuldade neste aspecto.
Além disso, eles adoram alguns jogos domésticos e brincadeiras simples, como de perguntas, carrinho e boneca.
Apesar da personalidade egoísta, as crianças de 4 e 5 anos gostam de agradar. Uma boa forma de o professor conquistar a criança é elogiá-las quando fizeram algo bom ou correto.


Características espirituais
Esta é uma ótima faixa etária para o professor da EBD ensinar sobre o Senhor, pois elas gostam de aprender e são curiosas. Como elas gostam de agradar, são mais fáceis de serem guiadas. Elas pensam em Deus de uma forma pessoal, e levam tudo para este lado, por isso, é a idade ideal para começarem a aprender a orar. Elas vão pedir sempre para Deus o que precisam e estão dispostas a agradecer, pois querem agradar ao Senhor. São facilmente ensinadas a falarem de Deus para os colegas,
Já podem compreender que errar por querer é pecado e podem ser ensinadas sobre isso.
Se você não sabe a partir de qual idade uma criança pode aceitar Jesus, é exatamente nesta faixa etária, 4 e 5 anos.

Dicas gerais
Ao responder as perguntas seja direto e curto. Evite respostas longas pois elas não vão entender, e vão facilmente perder o interesse pelo assunto.
Ao escolher os cânticos da EBD, escolha os que podem ser feitos gestos.
Você pode desenvolver trabalhos manuais.
Crie oportunidades para que eles tocam e examine as coisas. Como estão descobrindo o mundo, as crianças de 4 e 5 anos são bem curiosas. Enfatize que Deus é nosso Pai. Essa relação é mais fácil deles aprenderem.
Já é possível ensinar versículos bíblicos, mas que seja curtos e explique sempre o o significado das palavras, assim como o que o versículo ensina.
Nesta faixa etária já podem aceitar a Jesus como salvador.
Mude as atividades a cada 5 ou 10 minutos, nas aulas da EBD. Se necessário faça pausas.
Utilize material gráfico simples, visuais coloridos.
Uma ótima dica é usar jogos em grupo.
Com essas dicas simples, o professor da EBD consegue desenvolver melhor suas atividades.

Publicado em Material Gospel


terça-feira, 24 de maio de 2016

Para a maioria das igrejas evangélicas do Brasil, a classe dos Juniores reúne alunos de nove a onze anos de idade. Quando falamos sobre o desenvolvimento infantil entre nove e onze anos de idade, estamos lidando com crianças que já passaram pela idade das perguntas, pré-primário, e da ação, primário, e estão na chamada idade da energia. Os professores que lidam com os juniores devem estar preparados para lidarem com crianças que já podem desafiar o professor com perguntas mais elaboradas e exigem um pouco mais de profundidade no aprendizado, principalmente, quando falamos de crianças que já estão na igreja há anos e conhecem as históricas bíblicas de uma forma mais geral. Não adianta contar histórias superficialmente ou elaborar um plano de ação sem tanto esforço. Por outro lado, agora elas já conseguem se concentrar por mais de 15 minutos e as atividades podem demorar um pouco mais.
Vale ressaltar que toda igreja infantil deve ter apoio de seus líderes, pastores, para que exista material didático suficiente e espaço adequado de acordo com cada idade. Se, por um lado, a preparação do professor é fundamental para que as aulas sejam proveitosas, por outro lado, as igrejas devem fornecer o amparo necessário para que os professores consigam otimizar seu tempo em sala de aula.

Características físicas
Ao falarmos dos primários, crianças de seis a oito anos, vimos que eles gostam de atividades mais vigorosas, porém se cansam rapidamente; agora, ao falarmos do desenvolvimento infantil dos juniores, estamos lidando com uma faixa etária que exige constantes mudanças, novidades. De uma forma geral, são crianças mais saudáveis, permitindo que o professor realize atividades variadas, como correr, pular, sem ter que ficar se preocupando tanto com cada indivíduo, como tem que ser no pré-primário e primário. Também é interessante realizar atividades ao ar livre.
Elas gostam de passatempo e atividades fora de rotina, em locais diferentes. Se interessam por aventuras e já começam a ser independentes.
O professor deve compreender que nesta idade as crianças ainda são desordeiros, por isso, é preciso paciência. Esta característica faz parte do desenvolvimento infantil desta faixa etária.

Características mentais
Nesta idade, as crianças estão prontas para receber novos conhecimentos. O desenvolvimento infantil de 9 a 11 anos é favorável à memorização. Ao trabalhar na igreja infantil, com a classe dos juniores, o professor deve explorar ao máximo esta capacidade de memorização para ensinar assuntos novos e introduzir um conhecimento bíblico mais aprofundado.
Com a concentração mais apurada, crianças de nove a onze anos tendem a ser mais interessadas aos problemas da rotina. Gostam de piadas e truques, além de serem muito criativos.
Estas crianças também gostam de colecionar coisas. É um bom motivo para o professor se empenhar em criar lembranças e brindes.

Características sociais
Estão na melhor idade para participarem de competições, pois tendem a ser leais e justos nas brincadeiras. Além disso, já começam a ter uma percepção social mais parecida com a dos adolescentes, por isso, gostam de ser reconhecidos pelos amigos e de participar de atividades com a turma. Eles já estão desenvolvendo o conceito de imparcialidade, por isso, os jogos podem ser muito bem explorados nesta faixa etária, evidenciando o papel do árbitro, para que aprendam a tomar decisões imparciais.
Outro fator importante do desenvolvimento infantil que o professor da igreja infantil precisa saber, é que eles gostam de heróis nesta idade.

Características espirituais
Os conceitos básicos do cristianismo e as doutrinas da igreja já podem ser ensinadas a estes pequeninos. Aqui já começam a fazer perguntas mais simples sobre o cristianismo. Aqueles que já estão a algum tempo na igreja irão fazer perguntas baseadas no que viram ou ouviram na igreja.
As crianças de nove a onze anos de idade já apresentam desejo de crescimento espiritual. Orar, ler ou adorar são assuntos que já podem ser ensinado, eles vão entender sem muita dificuldade.
Em relação às pessoas, os juniores estão dispostos a ajudá-las, e podem ser testemunhas, pois desejam fazer o que é certo e sente empatia pelos demais.
A comparação das histórias e curiosidades podem ser bem exploradas, pois o desenvolvimento infantil das crianças de nove a onze anos permite este tipo de informação.

Dicas
Com uma mentalidade mais amadurecida, já podem procurar na bíblia algumas respostas para suas dúvidas. Se o professor quiser, podem dar algumas lições que exijam uma resposta baseada na bíblia. Logicamente, o professor deve indicar onde encontrar a resposta, mas o aluno dos juniores já são capazes de interpretar os textos mais simples.
Uma dica para o professor que vai lidar com esta faixa etária é a realização de jogo de perguntas e respostas, preferencialmente, que o aluno precise manusear a bíblia para saber responder.
Já conseguem realizar devocionais. O professor pode explicar, de forma clara e simples, os objetivos do devocional e já pode mostrar com fazer.
Nesta faixa etária, os líderes da igreja infantil também já podem planejar atividades fora da igreja.
Conhecendo bem as principais características do desenvolvimento infantil das crianças de nove a onze anos o professor pode explorar bem atividades físicas, lúdicas e jogos e competições de forma adequada para esta faixa etária.

Publicado em Material Gospel


segunda-feira, 16 de maio de 2016

Uma das coisas que eu ouvi pastores que foram educados antes da era da informação lamentar é a prática aparentemente contra-intuitiva de deixar a igreja local para aprender a servir a igreja local.
Em outras palavras, no passado, um homem sentiu-se chamado para o ministério para exercê-lo numa igreja local. Desejando dotar-se através do ensino superior, ele iria em seguida, deixar a igreja local para ir para o seminário. Lá, ele iria aprender em um ambiente de sala de aula higienizado ocupada com outros estudantes durante todo o tempo longe das igrejas locais que participavam quando pela primeira vez sentiram esta chamada.
O resultado? Um homem que passa três anos aprendendo um monte de "ismos" e "ologias" apenas para perceber em seu primeiro pastorado que leva mais três anos para desaprender toda a bagagem desnecessária que não serve para comunicar e ministrar para uma igreja cujos membros não tenham participado de algum seminário. Este é um dos muitos problemas que eu acredito que a Reforma da Internet (sim, eu sou pioneiro em utilizar este termo) vai resolver como consequência.
Antes de chegar às soluções, vamos dar um rápido passeio através das implicações educacionais de ambas as reformas protestantes e da internet. De muitas maneiras, a internet está para o nosso cenário teológico o que a imprensa escrita foi para a Reforma Protestante (uma afirmação ousada, eu sei).

A Reforma Protestante
A imprensa escrita tornou possível para os reformadores colocar a Bíblia nas mãos das multidões. Eles foram capazes de combater a bagagem onerosa que a igreja romana havia adicionado à salvação e recuperar a doutrina da justificação pela fé em Cristo, porque eles poderiam simplesmente apontar para as Escrituras e dizer: "vejam como está aqui nos escritos de Paulo". Desde então volumes de livros foram escritos e reproduzidos graças à invenção de Gutenberg.
Porque a Bíblia foi produzidas em massa e disponibilizada para as multidões também houve multidões de diferentes interpretações disponibilizadas para impressão de mais livros. O resultado disso foi variadas escolas de pensamento e correntes teológicas que foram entregues a nós. Isto significa que os ministros eficazes devem ter pelo menos uma compreensão introdutória dos pontos de vista diferentes sobre doutrinas importantes. Em gerações anteriores, se você queria conhecer os vários pontos de vista sobre a Ceia do Senhor, isso significaria a compra de um grupo de diferentes livros ou ir à biblioteca e levá-los a título de empréstimo. Isto significava tornar-se educado para fins de ministrar na igreja local sendo necessário algum esforço, mas era muito mais fácil do que era antes, quando você tinha que gastar uma pequena fortuna para comprar uma cópia manuscrita de um livro. Aqueles dias mudaram tudo.


A Reforma da Internet
Vindo para os dias atuais, não é necessário comprar livros e nem ir a biblioteca (embora ambas as opções ainda são populares e o uso da web apenas para fornecer opções adicionais para nós), também é bastante complicado. Nós já não temos que queimar calorias para obter as respostas às nossas perguntas. Com o mínimo de esforço, podemos aprender sobre assuntos praticamente ilimitados apenas com o clique de um botão ou o movimento do nosso polegar. Mais ainda o que revolucionou nossos esforços acadêmicos: Já não é necessário ir a um campus de tijolo e argamassa para obter o seu diploma.
Agora, com a vasta informação disponível para nós na web, pode-se conceber o que um estudante esperto que faz seus estudos on-line sem sequer se registrar em uma escola real. Ele poderia simplesmente beber profundamente a partir dos recursos disponíveis para ele de forma gratuita na web. No entanto, parece que ainda estamos há um bom número de anos longe desta realidade. A maioria das igrejas ainda são bastante inflexíveis que seu pastor faça seus estudos de pós-graduação sob o seu controle (muitos só irão considerar aqueles com pelo menos um Mestrado em Divindade). No entanto, há mais e mais ​​opções viáveis para adquirir diplomas de universidades estabelecidas sem nunca ter pisado em um campus.
Eu sou um testemunha viva desta realidade. Quando eu me apresentei em algumas instituições locais, para apresentar a faculdade eu tinha acabado de me formar, tanto para a minha graduação e pós-graduação - eu só visitei uma só vez e em seguida, foi apenas para aceitar o meu diploma! Também não sou ingênuo o bastante para sugerir que não existem desvantagens para a educação on-line, mas ela certamente fornece soluções para muitos outros problemas. Aqui são três:

Custo
Talvez o benefício mais óbvio e superficial (embora não impossível) da educação online é que ela tende a ser uma opção mais rentável. Embora este não é sempre o caso, muitos seminários e institutos bíblicos oferecem aulas com desconto para estudantes online. Alguns podem cobrar até a "taxa de tecnologia", cada vez mais ambígua, mas há outras economias menos quantificáveis ​​repassados ​​para o estudante. Por exemplo, despesas variáveis, despesas com refeições e moradia. Sem mencionar que você não tem que contratar um caminhão para mudança!

Desenraizamento
No passado, a conseguir educação muitas vezes significava empacotar tudo o que você possui e deixando todo mundo que você conhecia para ir aprender em alguma galáxia "muito, muito, longe." Agora, com a crescente popularidade do ensino à distância, a sala de aula é trazida diretamente ao seu escritório (ou sala de estar, cozinha, café, quarto, etc.) através do seu laptop. Isto está estreitamente relacionado com o que eu considero ser o maior problema resolvido pela educação a distância.

Saindo da Igreja Local
Esta é, na minha opinião, o maior problema com estudos no seminário tradicionais. Há algo tragicamente irônico sobre assistir uma aula sobre eclesiologia (o estudo da Igreja) em um seminário há 300 quilômetros de distância de sua igreja local. Mas com a crescente disponibilidade de educação online este já não é mais o caso. Agora é possível se conectar a nossa formação teológica acadêmica e com a prática, a formação "pé-no-chão" do ministério com pessoas reais, na igreja local.
Há também desvantagens para seminários online. Os responsáveis ​​estão cientes desses inconvenientes e muitos estão propondo soluções para eles. Talvez em um post futuro vou examinar algumas dessas desvantagens. Mas, por agora, se você está explorando uma chamada para o ministério profissional e considerando, ainda, educação, você considerou tentar educação a distância? Qual seria a reação do seu pastor se você dizer da possibilidade de fazer uma espécie de estágio no ministério dentro de sua igreja local ao completar a sua educação acadêmica online?

Publicado em ChurchMag
Tradução livre e adaptação por Márcio Melânia


As 5 mais lidas

Me seguem no Google+

Jan Amos Komenský

Jan Amos Komenský
Comenius
  1. Jan Amos Komenský, foi um bispo protestante da Igreja Moraviana, educador, cientista e escritor checo. Como pedagogo, é considerado o fundador da didática moderna. Wikipédia