quinta-feira, 26 de novembro de 2015

“Quem examina cada questão com cuidado, prospera, e feliz é aquele que confia no Senhor” (Pv 16.20).

O avivamento não é uma coisa que a igreja possa agendar e realizar. Mas ela pode, sim, desejar que aconteça. Ela pode orar, suplicar, estudar o assunto, checar as Escrituras, conhecer a sua natureza, os seus resultados e quais transformações foram produzidas de modo duradouro.
Também é possível constatar os enganos do inimigo se misturando à obra realizada e os exageros cometidos por lideranças quando o zelo cego deseja as experiências pelas experiências e não a apropriação de seus benefícios para a vida em permanente santificação.
No processo de desejo e preparo para que um avivamento aconteça, a Escola Dominical ocupa uma função importantíssima, eu diria chave. Um dos grandes desafios da Igreja no século 21 é exatamente a falta de informação bíblica com solidez e qualidade. É irônico que num tempo de tantas facilidades e de tantos recursos tecnológicos exista uma crescente ignorância bíblica no seio do povo de Deus.
As Escrituras e tantos outros recursos como dicionários, comentários, sermões e ferramentas para exegese e hermenêutica estão disponíveis em todas as plataformas. Você pode ir para o culto hoje com dezenas de versões e traduções bíblicas, com uma volumosa biblioteca altamente especializada e com as obras dos autores mais badalados no momento no ‘tablet’ e no smartphone. Mesmo assim, a ignorância parece não ceder; antes, piora a cada dia. Muita informação e pouca profundidade. Muita informação e nem sempre acontece a formação. Por quê?
Porque a mente precisa ser treinada para poder usufruir com proveito tais recursos. Os textos em linguagem digital geralmente são curtos, sintéticos, sem grande desafio para o raciocínio, sem grandes dificuldades para a mente formar suas próprias conclusões. As respostas podem vir mesmo antes de a questão ser posta. A Escola Dominical pode ser um lugar da inteligência da fé, munida destes e outros recursos, pode ser o espaço ideal para o aprofundamento das questões mais relevantes e que mais desafiam a veracidade e a racionalidade da fé cristã.
“Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês” (1 Pe 3.15). Fica claro por esta citação que o preparo, o treinamento da mente, a capacidade de argumentar com coerência fazem parte do amadurecimento, do discipulado e de uma vida operosa no Evangelho.
Portanto, é um dever da liderança da igreja local investir na Escola Dominical e na formação dos professores. É um dever moral dos cristãos valorizarem esta escola para a edificação de suas almas e também para o equipamento espiritual e intelectual de corações e mentes capazes de testemunhar e de compartilhar o Evangelho. Quando as Escrituras são disseminadas, ensinadas e explicadas, quando as sublimes doutrinas da Graça e o estudo diligente de todas as doutrinas sobre a Trindade e as últimas coisas fazem parte do currículo básico da Escola Dominical será inevitável que haja um despertamento para uma adoração mais grata, mais vibrante, mais emocionante em face do encantamento que a verdade de Deus provoca na alma. Sem dúvidas numa atmosfera espiritual regida pela verdade e com uma adoração sustentada pela razão o caminho para o avivamento pode estar sendo aberto.
A Escola Dominical tem um papel importante também na evangelização. Ela deve ser um centro de discipulado e envio. Como os apóstolos sentados aos pés do Mestre e, depois de ouvi-lo atentamente, foram enviados em missão. O mesmo deve acontecer na Escola Dominical. Assentamo-nos para ouvir sobre o Reino, o amor do Pai, as Bem-aventuranças, a prática da justiça e etc.; somos enviados a oferecer e dar de graça o que de graça e pela graça recebemos. Na Escola Dominical aprendemos a viver e a agir como discípulos, como quem apreende a consciência de ser enviado ao mundo como o seu Mestre.
Sem uma Igreja bem treinada, com uma fé inteligente e articulada; sem um povo com bases bíblicas e doutrinárias sólidas e bem identificadas; sem uma adoração racional, vibrante e sem uma profunda identificação como discípulos de Jesus nem o avivamento e nem a evangelização serão possíveis. Graças sejam dadas a Deus pela Escola Dominical. Valorizemos, pois, esta maravilhosa “escola de vida”.

Publicado em Ultimato


terça-feira, 10 de novembro de 2015

1) Tomar 2 litros de água diariamente para evitar a desidratação e comer maçã para “limpar” o trato vocal;
2) Não gritar ou cochichar; manter a intensidade normal da voz e articular bem;
3) Evitar bebidas alcoólicas. Não fumar ou usar drogas ilícitas;
4) Evitar receitas caseiras, balas fortes, gengibre para a voz. Essas soluções dão uma sensação de conforto apenas momentaneamente, pois mascaram a real problemática da voz;
5) Manter uma postura correta;
6) Evitar a competição com o ruído ambiental. Feche as janelas ou abaixe o volume do som e do televisor, se for conversar;
7) Ao invés de tossir (tosse seca) e pigarrear, produza saliva e engula como se fosse engolir algum alimento. Tossir e pigarrear constantemente machuca as pregas vocais;
8) Aquecer a voz antes de usa-la por muito tempo profissionalmente (atenção, professores!). Cinco minutos de aquecimento vocal enquanto você se dirige para a sua escola, pode fazer uma grande diferença!!;
9) Após uma aula, palestra, apresentação, onde se usou muito a voz, é necessário fazer um desaquecimento vocal, que pode ser apenas permanecer cinco minutos sem falar;
10) Não hesite em procurar um profissional quando tiver rouquidão, dor, ardor, sensação de corpo estranho, pigarro, tosse improdutiva por mais de 14 dias, ou perda de voz sem quadro gripal associado. A sua voz pode estar em jogo. E mesmo você não sentindo nenhum desses sintomas e sendo um profissional da voz, também é recomendável procurar um fonoaudiólogo, que irá lhe orientar sobre esses cuidados e avaliar o seu caso para um atendimento especifico e eficaz.

Publicado em Lendo


A internet e os dispositivos móveis trouxeram grandes ideias e oportunidades para a área da educação. Hoje em dia é possível aprender de qualquer lugar, ministrar aulas e lições de forma mais eficiente e otimizar o tempo dentro da sala de aula.
No entanto, muitos professores e educadores ainda têm receio em utilizar a tecnologia como uma aliada. Não há nada de errado com os métodos tradicionais, porém, o uso da tecnologia pode fazer com que seus alunos tirem mais proveito do que você está ensinando. Aliás, os jovens certamente sentem-se mais atraídos quando aprendem com o auxílio da tecnologia, tão presente em suas vidas.
Antes de adotar alguns serviços, aplicativos ou ferramentas para ministrar as suas aulas e os trabalhos dos alunos, você deve conhecê-las muito bem. Sem esse conhecimento, a probabilidade da tecnologia se tornar um problema ao invés de uma solução será muito maior. Além disso, é necessário que todos os alunos se sintam à vontade com suas ideias.
Hoje pensei em 3 maneiras simples, para aqueles professores que ainda estão iniciando com essa coisa de novas tecnologias, de usar a tecnologia a favor de suas aulas, sem riscos e sem receios.

1. TIRE DÚVIDAS DOS ALUNOS
Você pode utilizar ferramentas de chat ou grupos nas redes sociais para compartilhar conteúdo com seus alunos e tirar as dúvidas deles.
Isso poderá ajudá-los a ficar mais envolvidos com a matéria e também a aumentar a produtividade de suas aulas, já que você não precisará gastar tempo tirando as dúvidas da última aula.

2. COMPARTILHE CONTEÚDO EM TEMPO REAL
Com a ajuda da tecnologia e da internet você pode compartilhar conteúdos, ebooks e artigos com seus alunos em tempo real durante a aula.
Enquanto explica sobre um determinado tema, você pode fornecer fontes mais detalhadas para seus alunos, oferecendo assim a possibilidade para que eles façam suas próprias pesquisas e tenham um conhecimento muito mais amplo da matéria.

3. ACOMPANHE AS TAREFAS E TRABALHOS
Utilizando um serviço de compartilhamento de documentos como o Google Docs ou o Office, você poderá acompanhar os trabalhos e tarefas de seus alunos de onde você estiver.
Em trabalhos colaborativos onde vários alunos participam de um único projeto, o uso da tecnologia pode ser imprescindível para otimizar o tempo e melhorar o envolvimento de todos. Por acompanhar passo a passo o andamento dos trabalhos, você pode ajudá-los a entender mais a fundo sobre um assunto e incentivá-los a ir mais longe.

Publicado em Lendo


As 5 mais lidas

Me seguem no Google+

Jan Amos Komenský

Jan Amos Komenský
Comenius
  1. Jan Amos Komenský, foi um bispo protestante da Igreja Moraviana, educador, cientista e escritor checo. Como pedagogo, é considerado o fundador da didática moderna. Wikipédia